25/05/2017

Cofen participa da Semana da Enfermagem em Mogi das Cruzes/SP

Resultados da mobilização da Enfermagem contra a formação desordenada foram apresentados em palestra da conselheira Dorisdaia Humerez

Conselheira Dorisdaia Humerez defendeu o exame de suficiência e extinção dos cursos técnicos e de graduação EaD

A formação de qualidade e a importância de representatividade da profissão foram destaques da IV Semana de Enfermagem em Mogi das Cruzes, no interior de São Paulo. O evento, produzido pelo enfermeiro Rodrigo Romão em parceria com a prefeitura municipal e secretaria municipal de saúde, contou com a participação de 700 pessoas, entre profissionais e estudantes, nesta segunda e terça-feira (22 e 23/5).

O deputado Orlando Silva, autor do Projeto de Lei que exige formação presencial para enfermeiros e técnicos de Enfermagem participou da abertura do evento, que contou ainda com a presença de gestores, coordenadores de cursos de Enfermagem, da conselheira federal Dorisdaia Humerez e do conselheiro regional do Coren-SP Jefferson Caproni, integrante da Comissão Nacional de Técnicos e Auxiliares de Enfermagem (Conatenf/Cofen). Caproni apresentou, no primeiro dia do evento, um panorama da profissão, baseado nos dados da Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil.

A defesa do ensino presencial e de qualidade foi foco de palestra da conselheira Dorisdaia Humerez, seguida de debate, na terça-feira (23/5). Coordenadora nacional da Operação EaD, a conselheira apresentou dados sobre o ensino a distância no Brasil. Sem laboratórios, biblioteca ou condições mínimas de apoio, a maioria dos polos não oferece sequer condições para a prática de estágio supervisionado.

“A Enfermagem requer conhecimentos teórico-práticos e habilidades relacionais que precisam ser desenvolvidas em contato com pacientes e com a comunidade”, afirmou a conselheira, que destacou a importância das atividades práticas também nos cursos presenciais, e defendeu a criação de exame de suficiência obrigatório para futuros profissionais de Enfermagem.

Mobilização Nacional – O Sistema Cofen/Conselhos Regionais lidera mobilização nacional pelo ensino presencial e de qualidade, com realização de campanhas de esclarecimento e audiências públicas em todo o Brasil. A luta da Enfermagem já mostra resultados. Após as denúncias consubstanciadas, o Ministério da Educação (MEC) iniciou diligências lavrando termos de compromisso que reduziram, em 75%, a oferta de vagas de graduação EaD. O Decreto 8.754/2016 incluiu a Enfermagem entre os cursos que só podem ser abertos com autorização do MEC, após prévia manifestação do Conselho Nacional de Saúde.
No Congresso, o conselho atua em defesa do  Projeto de Lei 4930/2016, que cria o exame de suficiência obrigatório para futuros profissionais de Enfermagem, e o Projeto de Lei 2891/2015, que proíbe a graduação enfermeiros e a formação de técnicos de Enfermagem por EaD.
A proliferação desordenada de cursos de qualidade duvidosa na área da Enfermagem representa um risco à Saúde Coletiva, além de contribuir para a saturação do mercado de trabalho. A pesquisa Perfil da Enfermagem (Cofen/Fiocruz) revela indícios de saturação do mercado de trabalho, com desemprego aberto na Enfermagem e achatamento salarial.

Fonte: Ascom - Cofen