08/08/2017

Coren-PE interdita eticamente 11 instituições no sertão pernambucano

Em 2017 já foram realizadas mais de 30 interdições éticas

Serra Talhada, Calumbí, Flores, Carnaíba, Quixaba, Santa Cruz da baixa verde, Afogados da Ingazeira. São sete municípios visitados e onze instituições que sofreram interdição ética aplicada pelo Conselho Regional de Enfermagem (Coren-PE) durante os dias 02, 03 e 04 de agosto. Na ocasião, a presidente Marcleide Cavalcanti esteve presente juntamente com o procurador do conselho, Bruno Becker, e a coordenadora adjunta de fiscalização, Ivana Andrade. Com a interdição ética as unidades permanecem abertas, mas os profissionais de Enfermagem ficam proibidos de realizar qualquer tipo de atendimento.

A fiscalização do Coren-PE identificou em suas últimas visitas às instituições irregularidades no atendimento à população, o que resultou na interdição ética dos profissionais de Enfermagem. Em todas as unidades foi verificada a ausência de enfermeiros e, consequentemente, de supervisão dos técnicos de Enfermagem atuando nas unidades.

A presidente do conselho ressaltou que apesar da resistência de alguns hospitais em relação a interdição ética, todas elas foram cumpridas. “Foram dias de luta, mas enfermagem é isso mesmo. Uma luta a cada dia”, afirmou a presidente Marcleide Cavalcanti.

Segundo a enfermeira e coordenadora adjunta do departamento de fiscalização do Coren-PE, Ivana Andrade, a decisão de paralisar o funcionamento destas onze unidades foi tomada após constatação da situação nas unidades. “Muitos desses hospitais e unidades de saúde vinham sendo notificados desde 2012, mas nenhuma providência era tomada. A ausência de enfermeiros é grave, e por isso foi preciso realizar a interdição ética dos profissionais de Enfermagem destas unidades”, explicou a coordenadora.

“É preciso deixar claro que esta ação do Coren-PE  visa não apenas garantir uma assistência à saúde adequada para a população do sertão pernambucano, mas também preservar o auxiliar e técnico de Enfermagem de situações de imperícia. Devido à ausência de enfermeiros, muitos técnicos e auxiliares são sobrecarregados, mais que isso, são colocados em situações de atendimento que não são de sua competência. O respeito pela Enfermagem deve começar por ela própria, reconhecendo o seu valor e exigindo respeito”, finalizou Marcleide.

O Coren-PE ressalta que algumas destas Unidades já procuraram o Conselho para se adequar ao que foi exigido. Merece destaque especial, o município de Carnaíba, que teve toda a documentação referente ao Hospital Dr. A presidente do Coren-PE pontuou que “é com satisfação que voltamos a Carnaíba um dia após a interdição para desinterditar o Hospital. Nosso objetivo não é punir ninguém, mas oferecer uma boa assistência a população, garantir o cumprimento da legislação de enfermagem e, principalmente, valorizar o profissional de enfermagem no exercício da profissão”.

Fonte: Coren - PE