- Cofen – Conselho Federal de Enfermagem - http://www.cofen.gov.br -

Obstáculos relacionados ao gênero enfraquecem trabalho de enfermeiras

Um relatório divulgado ontem sobre liderança em Enfermagem sugere que a discriminação, o preconceito e os estereótipos inibem as oportunidades para enfermeiras desenvolverem habilidades, perpetuam a disparidade salarial entre homens e mulheres e resultam em tratamento desigual na força de trabalho da saúde entre mulheres e homens em todo o mundo. O relatório é um produto de uma colaboração de pesquisa entre IntraHealth International, Nursing Now e Johnson & Johnson.

De acordo com o relatório Investindo no Poder da Liderança da Enfermeira: O que será necessário? as mulheres representam 70% da força de trabalho total de saúde e assistência social, mas compreendem apenas 25% das funções de liderança do sistema de saúde.

“As vozes das muitas enfermeiras que contribuíram para este relatório devem ser ouvidas pelos governos e líderes de saúde em todo o mundo. Profissionais de Enfermagem podem ser a resposta para muitos dos problemas de saúde do mundo – mas somente se houver esforços sérios e contínuos para remover os obstáculos que são rotineiramente colocados em seu caminho “, diz Annette Kennedy, presidente do Conselho Internacional de Enfermeiros (ICN).” Dê-lhes igualdade de condições, remova o teto de vidro e abandone quaisquer noções de “trabalho de mulheres” e enfermeiras mudarão o mundo.”

“Há um enorme potencial para a saúde e os retornos econômicos quando você investe na força de trabalho da saúde e, particularmente, nas enfermeiras”, diz Barbara Stillwell, diretora executiva da Nursing Now. “Mas as barreiras relacionadas a gênero ainda estão nos impedindo de liberar totalmente esse potencial. Enfermeiras e parteiras são vitais para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável em saúde, igualdade de gênero, trabalho decente e alívio da pobreza, mas ouvimos mais e mais das enfermeiras que elas estão sendo retidas como líderes”.

O relatório reflete uma ampla resposta global das vozes das enfermeiras sobre as barreiras de gênero à liderança. As descobertas e recomendações foram tiradas de uma pesquisa com 2.537 enfermeiras e enfermeiras obstétricas de 117 países, bem como uma revisão de literatura e oito entrevistas com informantes-chave. Os autores descobriram que, quando perguntavam aos enfermeiros sobre os fatores que os impediam de buscar cargos de nível superior, as respostas principais eram:

– Ter o equipamento e outros recursos para realizar o trabalho (47% dos entrevistados classificaram isso entre os cinco primeiros fatores)

– Treinamento em liderança (45% dos entrevistados classificaram isso entre os cinco primeiros fatores)

– Salário bom e justo (45% dos entrevistados classificaram isso entre os cinco primeiros fatores)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) projeta um déficit de 18 milhões de profissionais de saúde até 2030, principalmente em países de baixa e média renda, e estima que enfermeiras e parteiras representem 50% dessa escassez projetada. Enfrentar os desafios para as mulheres que entram, permanecem e prosperam na enfermagem e obstetrícia é essencial para alcançar a meta de cobertura universal de saúde. Durante a 72ª Assembleia Mundial da Saúde no mês passado, em Genebra, na Suíça, os estados membros da OMS declararam 2020 o Ano da Enfermeira e da Parteira. A OMS também está liderando um novo relatório sobre o estado da enfermagem mundial a ser lançado em 2020.

“É essencial que as perspectivas diretas dos enfermeiros sobre questões de igualdade de gênero e liderança informem a agenda global sobre enfermagem e cobertura universal de saúde”, diz Constance Newman, líder de equipe sênior de igualdade de gênero e saúde da IntraHealth e principal pesquisadora. “É por isso que conduzimos essa pesquisa para entender melhor e agregar a extensão e as maneiras pelas quais os enfermeiros experimentam as barreiras de gênero como obstáculos à liderança, para que possam ser abordados por formuladores de políticas globais, nacionais e institucionais”.

As principais conclusões da pesquisa do relatório incluem:

– A percepção da enfermagem como uma profissão feminina e de amparo e a desvalorização do trabalho associada às mulheres foram citadas como barreiras para o avanço das mulheres na profissão e o status da enfermagem na força de trabalho em saúde.

–  As enfermeiras percebem os efeitos de ambos os tetos de vidro – quando as enfermeiras são impedidas de progredir profissionalmente, muitas vezes devido a responsabilidades domésticas – bem como uma escada rolante de vidro – quando colegas masculinos com menos experiência avançam rapidamente devido a vantagens culturais.

–  Os entrevistados relataram majoritariamente que os desafios que equilibram trabalho não remunerado e remunerado afetam mais as mulheres do que os homens em enfermagem.

– As enfermeiras percebem uma autoridade de tomada de decisão limitada, independentemente do sexo.

– Os entrevistados citaram a falta de autoconfiança como uma barreira para assumirem posições de liderança.

O relatório pede a transformação de ambientes regulatórios e de políticas e sistemas de educação de profissionais de saúde, bem como aumento dos investimentos em educação de enfermeiros e desenvolvimento de liderança. Ele oferece recomendações para formuladores de políticas e implementadores para fortalecer a liderança em enfermagem e a igualdade de gênero na força de trabalho global de enfermagem, incluindo a forma de:

– Mudar a percepção da profissão de enfermagem como uma “ciência leve” e elevar o status e perfil da enfermagem no setor de saúde.

– Abordar os impulsionadores da segregação sexual ocupacional, que contribuem para a percepção da enfermagem como trabalho de mulheres.

– Eliminar a discriminação do empregador com base no gênero, incluindo os papéis reprodutivos da mulher ou o status de “mãe com filho”.

– Construir a autoconfiança e o senso de preparação das enfermeiras para assumir posições de liderança.

– Garantir que os ambientes de trabalho sejam seguros e responsivos ao equilíbrio entre trabalho e vida pessoal e permitam flexibilidade aos funcionários para o cumprimento do trabalho formal e das responsabilidades de cuidados não remunerados.

– Garantir oportunidades para os enfermeiros terem acesso a financiamento para desenvolvimento de liderança, ensino superior ou outro desenvolvimento profissional.

– Promover maior acesso a redes profissionais e esquemas de orientação para enfermeiros.

“Apesar do incrível impacto que os enfermeiros estão tendo todos os dias, como sociedade, falhamos em reconhecê-los como eles merecem e em dar a eles o poder de liderar”, diz Lauren Moore, vice-presidente de impacto global da comunidade na Johnson & Johnson. “É hora de desenvolvermos sistemas facilitadores e de apoio que permitam que os enfermeiros atinjam seu potencial”.

Nota aos editores – O Conselho Internacional de Enfermagem (ICN) é uma federação de mais de 130 associações nacionais de Enfermagem que representam os milhões de enfermeiros em todo o mundo. Operado por enfermeiros e liderando a enfermagem internacionalmente, o ICN trabalha para garantir um atendimento de qualidade para todos e sólidas políticas de saúde globalmente.
Para mais informações, entre em contato com Gyorgy Madarasz, Assessora de imprensa em madarasz@icn.ch Tel: +41 22 908