18/01/2016

Treinamento estimula humanização aos profissionais da saúde

Iniciativa propõe a dedicação a atividades com música, artes visuais e contação de histórias a fim de humanizar a relação entre colegas de trabalho, pacientes e acompanhantes
Foto Arte Despertar - Treinamento HU-USP

Treinamento HU-USP

Deixar de lado por duas horas o estresse e a correria naturais do ambiente hospitalar, para se dedicar a atividades com música, artes visuais e contação de histórias, especialmente planejadas para mostrar ao profissional da saúde a sua importância na instituição e estimulá-lo a oferecer um olhar humanizado aos seus colegas de trabalho, pacientes e acompanhantes.

É o que propõe o Treinamento em Competências Comportamentais, realizado pela Arte Despertar nos hospitais. Os treinamentos são planejados de acordo com a necessidade de cada instituição e trabalham aspectos como interação entre os setores, comunicação, empatia e relacionamento.

“Essa metodologia foi nascendo aos poucos durante nosso trabalho voltado ao paciente, conforme fomos percebendo a necessidade de olhar também para o profissional da saúde, que sofre cobranças e pressões de todos os lados e, naturalmente, faz esse estresse emocional e físico refletir no seu trabalho”, explica Regina Vidigal Guarita, diretora-presidente da Arte Despertar.

Nas ações propostas pela Arte Despertar, os profissionais da saúde são provocados a explorar diversos campos da sua atuação nos hospitais e a refletir sobre como melhorar este trabalho.

No último treinamento realizado no InRad (Instituto de Radiologia do Hospital das Clínicas de São Paulo), por exemplo, foram colocadas em prática dinâmicas com o objetivo de aperfeiçoar a comunicação e o relacionamento com os pacientes.

Dois meses após a capacitação, a coordenadora do Grupo de Humanização da instituição, Kelly Lacerda, observa que as reflexões surgidas durante as atividades ainda reverberam de maneira positiva em diversos setores do hospital.

“Os profissionais estão mais sensíveis às necessidades uns dos outros e também no atendimento ao paciente, que vai além da realização de um exame e exige que sejam bons ouvintes, tenham empatia e consigam direcionar a atenção”, afirma ela.

O Hospital Universitário da USP foi outro que, recentemente, abriu as portas para a equipe da Arte Despertar interagir com profissionais das áreas de enfermagem, administração, farmacêutica e serviços gerais.

Há 28 anos na instituição, pela primeira vez a farmacêutica Lilian Passadore se vê diante do desafio de manter contato direto com os pacientes, o que a fez enxergar no treinamento a possibilidade de conhecer de perto as necessidades das pessoas que a rodeiam e procurar meios de fortalecer este relacionamento.

“Às vezes você percebe que os pacientes estão nervosos e isso contagia negativamente os funcionários também. A dinâmica dos instrumentos musicais nos mostrou exatamente esse desafio de não nos deixarmos levar pelo ritmo dos outros e seguirmos concentrados no trabalho, impondo o nosso próprio ritmo e até mesmo revertendo situações negativas”, refletiu ela.

Somente em 2015 participaram do Treinamento em Competências Comportamentais 2181 profissionais da saúde, em 14 instituições dentre elas Hospital Samaritano, IBCC e Hospital Infantil Darcy Vargas.

“Mais do que mostrar a todas essas pessoas o seu importante papel nos hospitais, o exercício contínuo dessas atividades tem nos feito aprofundar conceitos e práticas que possibilitarão, no futuro próximo, um alcance cada vez maior e certeiro dos objetivos propostos nos treinamentos”, assinala Rosana Junqueira Morales, gestora da Arte Despertar.

Associação Arte Despertar

Fonte: Associação Arte Despertar