12/01/2021

Cofen aponta falta de isonomia em contratação emergencial no Amazonas

Diferença salarial entre profissionais de nível superior contratados pelo MS no estado chega a 300%

O Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) recebeu com indignação a previsão de salários para enfermeiros a serem contratados pelo Ministério da Saúde, em caráter temporário, para combater a pandemia de covid-19 no Amazonas. A remuneração prevista para enfermeiros, profissão que exige nível superior, com carga horária mínima de 4 mil horas integralizadas ao longo de cinco anos, é cerca de três vezes inferior à dos médicos.

Os valores anunciados desvalorizam os enfermeiros, fisioterapeutas e farmacêuticos que assumirão postos na linha de frente durante a pandemia de covid-19, arriscando suas próprias vidas em prol da Saúde da população. Representam, também, um ataque à isonomia, com previsão de salários extremamente desiguais para profissionais de Saúde graduados.

O Sistema Cofen/Conselhos Regionais apoia a criação de um Piso Salarial nacional para profissionais de Enfermagem. Diversos Conselhos Regionais estabeleceram parâmetros para “piso salarial ético”. As recomendações regionais não são uma imposição salarial – pauta referente aos sindicatos profissionais da área – mas uma sugestão para que os trabalhadores possam obter, junto aos sindicatos, melhores negociações em acordos coletivos e uma valorização da profissão.

 

Fonte: Ascom - Cofen