17/03/2016

Em audiência pública no Acre, maioria repudia EaD na Enfermagem

Audiências públicas em todo o Brasil ampliam o debate sobre o PL que proíbe a graduação de enfermeiros e formação de técnicos por EaD
Em audiência pública, Acre repudiou a distância de enfermeiros e técnicos de Enfermagem

Em audiência pública, Acre repudiou a distância de enfermeiros e técnicos de Enfermagem

Os cursos de graduação de enfermeiros e de formação de técnicos de Enfermagem (EaD)  à distância foram tema de Audiência Pública na Assembleia Legislativa do Estado do Acre (ALEAC), na manhã desta quinta-feira (17/3). A maioria absoluta dos presentes na audiência, proposta pelo deputado estadual Jenilson Leite, por solicitação do Cofen e Conselho Regional de Enfermagem do Acre, reconheceu na modalidade um risco à Saúde Coletiva

“A Enfermagem é gente cuidando de gente. O cuidado de Enfermagem é essencialmente relacional. Temos que cuidar com responsabilidade, temos que aprender a respeitar o paciente”, afirmou a conselheira federal Dorisdaia Humerez. Avaliadora institucional do INEP/MEC e coordenadora da operação EaD, a conselheira apresentou um breve panorama a situação da EaD no ensino superior de Enfermagem.
“A realidade da formação por EaD atinge quase todas profissões da Saúde, nas piores condições que se possa imaginar, sem laboratórios, bibliotecas, estrutura, enfim, nada”, afirmou o presidente do Cofen, Manoel Neri. “A falta de regulação do Governo através do INEP e do Ministério da Saúde, é uma irresponsabilidade que vai agravar ainda mais a saúde do Brasil, porque saúde não se faz com máquinas, saúde se faz com gente, não só no ensino superior, como no ensino técnicos de Enfermagem”, destacou o presidente, que agradeceu aos deputados por adotarem a causa.
Para o conselheiro federal Jebson Medeiros, formação por EaD dos futuros trabalhadores do SUS é “inconcebível"

Para o conselheiro federal Jebson Medeiros, formação por EaD dos futuros trabalhadores do SUS é “inconcebível”

Amplo Debate – O deputado estadual Raimundinho da Saúde, que é Técnico de Enfermagem, se posicionou favorável ao Ensino de Enfermagem por EaD e recebeu críticas dos participantes da audiência pública. Representante do Sindicato dos Enfermeiros do Estado do Acre, Yonara Pereira questionou a posição do parlamentar. Para o conselheiro federal Jebson Medeiros,  é “inconcebível a formação de um futuro trabalhador do SUS, que cuidará diretamente dos pacientes nos mais diversos cenários, apenas utilizando-se dos meios de educação à distância”.

As audiências públicas realizadas em todo o Brasil ampliam o debate sobre o Projeto de Lei 2891/2015, que proíbe a graduação de enfermeiros e formação de técnicos na modalidade EaD. Proposto pelo Cofen e apresentado pelo deputado federal Orlando Silva (PC do B – SP), o projeto já recebeu parecer favorável da comissão de educação.

Saturação – O presidente Manoel Neri destacou, ainda, que o número de vagas presenciais existente atende e supera as demandas atuais. “Hoje já vivemos uma crise muito séria no Ensino Presencial, mais de 50 mil enfermeiros são formados anualmente no Brasil e as políticas de Saúde não absorvem essa oferta de profissionais”. Mais de 90% vagas oferecidas por EaD estão ociosas por falta de interessados.

Revista Enfermagem em Foco – Ao final da Audiência foi feito o lançamento da edição especial da revista científica Enfermagem em Foco sobre o Perfil da Enfermagem no Brasil (Cofen/Fiocruz). Mais amplo levantamento sobre uma profissão já realizado na América Latina, a pesquisa aponta concentração regional, tendência à masculinização, situações de desgaste profissional e subsalário, com indícios de saturação do mercado de trabalho.

Fonte: Ascom - Cofen