07/03/2022

Enfermagem reivindica Piso Salarial neste 8 de Março

Com 85% de mulheres, categoria cobra dignidade salarial em atos por todo o Brasil

Presidente do Cofen durante ato em defesa do Piso Salarial, no Dia Internacional da Saúde

Neste 8 de Março, a Enfermagem brasileira está em luta pela votação do PL 2564/2020, que cria o Piso Salarial Nacional. Assinaturas pedindo a tramitação em regime de urgência já foram entregues ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (Progressistas/AL), onde o PL tramita, após aprovação no Senado.

“É muito simbólica a realização de atos no 8 de Março, Dia Internacional da Mulher. O PL contribui para reduzir desigualdade salarial, numa profissão que é 85% feminina”, ressalta a presidente do Conselho Federal de Enfermagem, Betânia Santos. “Parabenizamos todas as enfermeiras, técnicas e auxiliares de Enfermagem e abraçamos a luta por salários dignos, respeito e pelo fim de violência”.

As mulheres brasileiras dedicam, em média, 26,6 horas semanais aos serviços de casa, enquanto os homens gastam 10,5 horas, conforme dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). As mulheres também têm uma probabilidade maior de interromper o trabalho formal para cuidar dos filhos, parentes idosos e convalescentes. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE) de 2018 revelam que, mesmo com maior escolaridade, as mulheres recebiam em média 79,5% do total do salário de um homem, tendo uma carga horária semanal apenas 4,8 horas menor.

Em Brasília, a concentração será às 13h, em frente ao anexo 2 da Câmara dos Deputados, com coordenação do Fórum Nacional de Enfermagem. A mobilização inclui atos em diversos estados, diálogo com os deputados no aeroporto de Brasília, atos em diversas regiões do Brasil, twittaços das 6h às 9h e das 13h às 15h, com as hashtags  #aprovaPL2564em2022 #AprovaPL2564 E #PisoSalarialdignoJa

Fruto de amplo diálogo e pactuação, o PL estabelece piso de R$ 4.750 para enfermeiros e valores proporcionais de 70% do valor para técnicos e 50% auxiliares e parteiras. Os trabalhos do GT que estudava o impacto financeiro e orçamentário do piso há foram concluídos, e a expectativa é que a pauta seja votada o mais breve possível.

 

 

Fonte: Ascom - Cofen