24/03/2020

Há vagas: supermercados e hospitais contratam em meio à crise do coronavírus

No setor de saúde, a demanda maior é por enfermeiros. No Einstein, em São Paulo, são 1.700 vagas; leia reportagem do 6 minutos

As ruas estão vazias para conter o coronavírus. Mas o movimento é grande dentro dos hospitais e supermercados. Como o comércio todo fechou, com exceção dos supermercados, o fluxo de clientes nas lojas explodiu. Além do aumento nas vendas, os supermercados tiveram de mandar para casa os funcionários que pertencem a grupos de risco (maiores de 60 anos, grávidas, hipertensos) e por isso ficaram ainda mais desfalcados.

Somado à crescente necessidade de aumentar o atendimento em hospitais, a crise do coronavírus gerou, ironicamente, um efeito benéfico: a criação de vagas temporárias de trabalho.

O Carrefour, uma das maiores redes de supermercados do país, está contratando 5.000 pessoas. O processo de seleção, que dura, em média, duas semanas, foi acelerado e não haverá entrevistas ou preenchimento de fichas presencialmente. Tudo será feito por meios digitais para evitar o contágio pelo vírus. ‘Estamos fazendo essas contratações, pois o absenteísmo está altíssimo”, disse Alexandre Espinosa, diretor corporativo de recursos humanos do Carrefour.

Possivelmente, essa será a maior e mais rápida contratação já feita no país. As vagas são para as lojas no Brasil inteiro e valem para quase todas as funções dentro da companhia, que tem 87 mil funcionários. A maior parte é para operadores de caixa, atendente, repositores de mercadorias.

No Grupo Pão de Açúcar também foram abertas vagas. Mas a companhia disse que o processo já foi encerrado e não quis dar mais detalhes sobre o assunto.

Na saúde, as entrevistas também estão sendo feitas por meios digitais. Em grandes hospitais particulares, como o Albert Einstein, o processo de contratação já está acontecendo. Só na cidade de São Paulo, serão 1.426 profissionais de saúde, com contrato por tempo determinado. Desse total, 509 vão trabalhar em um hospital de campanha que está sendo montado no estádio do Pacaembu, 195 para unidades de parcerias públicas com a prefeitura e o restante para serviços hospitalares, ambulatoriais e diagnóstico das diversas unidades da empresa. As inscrições podem ser feitas pelo link: https://www.einstein.br/carreiras.

O Hospital Alemão Oswaldo Cruz, também na cidade de são Paulo, é outro com processo seletivo aberto para contratação de profissionais de saúde, como enfermeiros e técnicos de enfermagem. Tudo pelo site.

O Cofen (Conselho Federal de Enfermagem) divulgou, por meio de nota oficial, que “diante do cenário epidemiológico que se instala em nosso país e sua constante alteração, é difícil fazer uma previsão de quantas vagas estão sendo abertas em todo o Brasil, já que existe o risco de subdimensionar a grande demanda.”

No entanto, como há muitos profissionais da saúde desempregados no país neste momento, o Cofen acredita que não haverá, pelo menos em um primeiro momento, falta de pessoal para suprir os cargos em aberto.

Para facilitar o processo, o Conselho publicou a resolução 631/2020 , que permite admitir a Certidão de Inscrição Profissional ou Certidão de Regularidade como documento hábil e legal para permitir o exercício da profissão e o recebimento eletrônico de requerimentos de serviços (para fazer a seleção de pessoal online).

Realocação – Para manter o emprego de seus funcionários, muitas empresas de segurança, por exemplo, estão deslocando profissionais de um local para outro. Guardas que ficavam em shoppings que foram fechados, por exemplo, estão ocupando, temporariamente, o posto de outros porteiros e profissionais de segurança maiores de 60 anos que agora estão em licença.

Entregadores –A demanda em alta por entregas, uma vez que boa parte da população está em confinamento, também tem aumentado a procura por parceiros de aplicativos como iFood e Rappi.

Em nota, o Rappi divulgou que não tem como dimensionar a demanda por novos entregadores. “Atender a essa demanda é uma das nossas maiores prioridades e estamos trabalhando duro para aumentar o número de ‘personal shoshoppers entregadores parceiros.”

O iFood também não quis comentar. Mas em relação à saúde desse pessoal, as empresas informaram que estão incentivando a opção de pagamento via aplicativo, para que exista o menor contato possível com cédulas (dinheiro). Também estão dando álcool em gel aos entregadores e incentivando a entrega sem contato – em que os entregadores podem deixar o pedido na porta do cliente e se afastar por dois metros para evitar a proximidade com a pessoa.

Fonte: 6 minutos