18/09/2020

Nutricionistas e sociedade apoiam Guia Alimentar da População Brasileira

Tentativa de revisão do documento de referência, para retirar referências aos riscos de produtos industrializados, gerou forte reação social

O Sistema CFN/Conselhos Regionais de Nutricionistas, a Associação Brasileira de Nutrição (Asbran), a Federação Nacional dos Nutricionistas (FNN) e a Executiva Nacional dos Estudantes de Nutrição (ENEN) publicaram uma nota, nesta quinta-feira (17/9), em resposta à solicitação de mudança no Guia Alimentar da População Brasileira, elaborada pelo Ministério da Agricultura. No documento, a pasta criticava a classificação de alimentos utilizada e à recomendação de evitar o consumo de alimentos ultraprocessados.

Em nota, as entidades defendem que a principal inovação do Guia é a classificação dos alimentos segundo o tipo de processamento. Essa abordagem considera evidências científicas recentes demonstrando que uma alimentação baseada no consumo de alimentos processados e ultraprocessados está associada ao aumento da morbidade e da mortalidade por diversos agravos à saúde, especialmente as doenças crônicas não transmissíveis.

As entidades informam, ainda, que é necessário promover e defender estratégias que visem a fortalecer a soberania e a segurança alimentar e nutricional, neste momento de pandemia em que o direito humano à alimentação adequada e saudável é ameaçado por abalos na estrutura social e econômica.

O Conselho Nacional de Saúde, instância máxima de controle social do SUS, também criticou a mudança. A ameaça de descaracterização do documento gerou, ainda, manifestação da sociedade civil, com abaixo assinado em defesa do guia.

O Guia Alimentar aborda os princípios e as recomendações de uma alimentação adequada e saudável para a população brasileira, configurando-se como instrumento de apoio às ações de educação alimentar e nutricional no SUS e também em outros setores.

Fonte: Ascom - Cofen