19/01/2022

Cantora antivacina morre após contrair covid-19 propositalmente

Vacinação é a forma mais segura de induzir imunidade

Vacinação reduziu as mortes por covid-19 no Brasil

A cantora Hanka Horka, do grupo tcheco Asonance, morreu no domingo (16), aos 57 anos, de complicações relacionadas à covid-19. Ela era contra a vacinação e se contaminou propositalmente para obter o passaporte de imunidade, que na República Tcheca, pode ser solicitado também por aqueles que têm anticorpos após a infecção pelo coronavírus.

“Não se recomenda, em nenhuma hipótese, a exposição deliberada à doença”, afirma enfermeiro Eduardo Fernando, coordenador do Comitê Gestor da Crise do Conselho Federal de Enfermagem. A covid-19 é uma doença grave, passível de complicações e de reinfecção. Mesmo quem já teve a doença deve se vacinar.

“Os Conselhos de Enfermagem defendem a vacinação em massa, combinada a medidas de distanciamento social e investimentos na assistência, como formas de conter a pandemia”, ressalta Eduardo.

O Brasil registra mais de 23 milhões de casos, com 622 mil mortes. No pior momento de contágio até aqui, a média diária chegou a 77,2 mil casos no país.

Com o avanço da vacinação, a mortalidade por covid-19 se reduziu de forma acentuada, mas a chegada da variante ômicron, mais resistente à vacina, já acende sinais de alerta, com sobrecarga dos serviços de Saúde.  Levantamento do Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo (Coren-SP) indica que quase 82% dos entrevistados estão atendendo mais pacientes; e 33% relatam que a jornada de trabalho aumentou.

Fonte: Ascom - Cofen, com agências internacionais