27/09/2021

Cofen abre 23º CBCENF de olho no futuro da Enfermagem

Em quatro dias, serão apresentados 15 cursos, 80 palestras e 230 horas de transmissão em tempo real, para um público recorde de 26 mil pessoas

Evento é consolidado como o maior congresso científico da América Latina

Em um momento histórico para a categoria, no instante em que a discussão política sobre a criação de um piso salarial justo e de uma jornada de trabalho digna para a Enfermagem avança e atinge consensos no Congresso Nacional, o Conselho Federal de Enfermagem abre a 23ª edição do Congresso dos Conselhos de Enfermagem (23º CBCENF), para discutir as novas tendências da profissão, promover o desenvolvimento científico, social, político e econômico da ciência do cuidado no Brasil e consolidar o evento como um dos maiores congressos científicos do mundo e como o maior do segmento na América Latina.

“Daremos uma vasta contribuição ao ensino, à pesquisa e à extensão em Enfermagem. Os eixos temáticos abordados darão o caminho para empoderar cada vez mais a nossa profissão, que soube corresponder aos anseios nacionais diante da maior crise de saúde pública da nossa história. Assim como a categoria, os Conselhos de Enfermagem não se acovardaram na defesa da ciência e no combate ao negacionismo. Não por acaso, a Enfermagem brasileira é reconhecida no mundo inteiro por sua expertise e competência. Portanto, merecemos o respeito das autoridades, para que possamos continuar no front, salvando vidas com um salário justo e uma jornada decente. Não fugiremos à luta, não recuaremos na defesa das nobres causas da profissão”, declarou a presidente do Cofen, Betânia Santos, na abertura dos trabalhos.

Os números deste ano impressionam. De 27 a 30 de setembro, serão apresentados 15 cursos, 80 palestras e mais de 1.000 trabalhos científicos, tudo em tempo real, para mais de 26 mil profissionais e estudantes, público quatro vezes maior do que o registrado na última edição. Aproximadamente 600 organizadores, palestrantes, facilitadores e membros dos Conselhos de Enfermagem acompanham o evento presencialmente, dentro de rigorosos protocolos de segurança, vacinados e mediante apresentação de teste PCR de antígeno para Covid-19, com fornecimento e uso obrigatório de máscaras e manutenção do distanciamento social mínimo de dois metros.

Presidente do Coren-SC, Gelson Albuquerque, homenageou os profissionais de Enfermagem

No ato de abertura do 23º CBCENF, o público prestou um minuto de silêncio em respeito à memória dos 865 profissionais de Enfermagem que já perderam a vida para a Covid-19 no Brasil. “Aos que tombaram, nossa homenagem, nosso pesar, e aos que continuam na luta e na labuta, nosso agradecimento e nosso orgulho por continuarem na linha de frente. Aos 595 mil brasileiros que perderam a vida, assim como meu pai e minha mãe perderam suas vidas para o novo coronavírus, o nosso imenso respeito e consideração. Não é fácil para aqueles que perderam seus entes queridos. Principalmente, sabendo que se tivessem feito a compra de vacinas como sempre foi, na história exitosa do PNI brasileiro, sem propinas e sem acertos não republicanos, seguramente, muitos dos nossos ainda estariam aqui conosco”, homenageou o presidente do Coren-SC e anfitrião do evento, Gelson Albuquerque.

“Estamos vivendo o ano que não terminou. Se o Governo Federal e o Ministério da Saúde tivessem tomado medidas tão acertadas quanto os Conselhos de Enfermagem, certamente, não chegaríamos a 600 mil mortos por Covid-19 no Brasil. Por causa de omissões, de decisões equivocadas e do negacionismo verificado nas mais altas autoridades da república, continuamos em situação duríssima. Por outro lado, vivemos no mundo em que a ciência conseguiu produzir um verdadeiro milagre, que foi descobrir e produzir vacinas contra o novo coronavírus em menos de um ano. É o exemplo da ciência que vamos seguir, para driblar as adversidades e fazer o maior congresso de nossa história, de forma híbrida e segura”, discursou o presidente do Coren-RO, Manoel Néri, representando os presidentes dos 27 Conselhos Regionais de Enfermagem.

“É o exemplo da ciência que vamos seguir, para driblar as adversidades e fazer o maior congresso de nossa história”, disse Manoel Neri

O secretário estadual de Saúde de Santa Catarina, André Motta Ribeiro, deu as boas-vindas aos profissionais de Enfermagem de todo o país, em nome do governador catarinense Carlos Moyses. “Em um evento tão bonito, grandioso e organizado, que temos a honra de receber em nosso estado, conseguimos ver transparecer a tristeza e o luto, mas também vemos renascer a esperança e a superação nos olhos de vocês. A pandemia nos ensinou a trabalhar em equipe e precisamos avançar. Nossa missão é ajudar o máximo possível de pessoas sempre. Vocês podem contar com o nosso apoio e o nosso empenho junto às autoridades federais em defesa de Piso Salarial e da Jornada de 30 horas para a Enfermagem”, pontuou.

Durante a abertura do 23º CBCENF, aconteceu o lançamento oficial do aplicativo CofenPlay. “É uma multiplataforma com conteúdos exclusivos e gratuitos para profissionais de Enfermagem. Tem tudo: livros, cursos, vídeos, séries, jornais, revistas, clube de benefícios, acesso direto à ouvidoria do Cofen, leis, resoluções, serviços online, editais de mestrado e muito mais. É um produto inédito, uma revolução digital sem precedentes, que vai mudar o rumo da Enfermagem”, explica o coordenador de comunciação do Cofen, Neyson Freire. O app está disponível para download nas principais lojas de aplicativos. Para saber mais, acesse: cofenplay.com.br.

A abertura oficial do evento contou com a apresentação cultural do grupo folclórico Tropeiros do Litoral e foi encerrada com a palestra “O tempo, a resistência e a superação: construindo novos daminhos”, que foi conduzida pelo psicólogo, professor e consultor Rossandro Klinjey.

Amanhã, tem mais. Acompanhe em www.23cbcenf.com.br.

 

Fonte: Ascom - Cofen