12/02/2021

ICN solicita abordagem global para os programas de vacinação da Covid-19

Conselho apoia a Declaração de Igualdade de Vacinas da OMS

O Conselho Internacional de Enfermeiros (ICN) está solicitando uma abordagem global para os programas de vacinação da COVID-19, que ignora as fronteiras nacionais e prioriza a vacinação das pessoas mais vulneráveis ​​nas sociedades, e da enfermagem e profissionais de saúde vitais que delas cuidam.

A última pesquisa do ICN sobre as Associações Nacionais de Enfermagem de 54 países ao redor do mundo destaca uma grande divisão entre países de alta e baixa renda, bem como lacunas regionais significativas nos programas de vacinação, que podem causar a propagação de novas variantes do vírus.

  • 88% dos países pesquisados ​​que começaram a vacinar profissionais de enfermagem são de renda alta ou média alta.
  • Dos oito países de renda baixa e média-baixa na África que foram pesquisados, nenhum começou a vacinar seus profissionais.
  • Muitas Associações Nacionais de Enfermagem em países onde as vacinações ainda não haviam começado relataram que não tinham informações de quando a implementação começaria.

O ICN está apoiando a Declaração de Igualdade de Vacinas da Organização Mundial da Saúde, que insta os países a mobilizarem seus recursos para que o acesso à imunização seja determinado pela necessidade, em vez de riqueza ou localização geográfica. Dados de uma nova pesquisa do ICN divulgada hoje, apontam para um abismo entre a implantação das vacinas em países de baixa e alta renda, criando a ameaça de potenciais criadouros para novas variantes.

Quando a OMS lançou o Ano Internacional dos Trabalhadores de Saúde e de Cuidados, a presidente do ICN, Annette Kennedy, disse que protegê-los é tão importante quanto proteger os pacientes que atendem.

“Quase dois terços das nações do mundo ainda não iniciaram seus programas. A distribuição das vacinas é uma questão tanto moral como de geografia e logística, e é por isso que o ICN assinará a Declaração de Igualdade de Vacinas da OMS.

‘Estou lado a lado com o Diretor-Geral da OMS, Dr. Tedros, que disse corretamente que testemunharemos uma catástrofe moral, abandonando milhões de pessoas com esta doença, se as vacinas não forem distribuídas de forma equitativa.

‘Muitas nações mais pobres ainda não têm acesso às vacinas. E a vacinação de enfermeiras como grupo prioritário, a maioria mulheres, salvará muitas vidas, principalmente as das próprias enfermeiras, milhares das quais morreram durante esta pandemia. Os governos devem se unir e fazer tudo o que puderem para acabar com essa tragédia desnecessária e garantir igualdade de acesso. A maneira como o mundo lida com essas desigualdades será uma indicação do tipo de futuro em que viveremos depois que a pandemia passar.”

Profissionais de enfermagem são um grupo vulnerável devido ao aumento da exposição ao vírus por meio de seu trabalho. Desde o início da pandemia, o ICN tem monitorado infecções e mortes por COVID-19 entre eles. Agora sabemos que milhões de enfermeiras foram infectadas e que mais de 2.700 perderam suas vidas, e é provável que o número de profissionais que morreram provavelmente chegará a dezenas de milhares quando a contagem final for feita. Portanto, o ICN também está apoiando o desafio dos 100 dias da OMS, que exige que todos os países comecem seus programas de vacinação até o Dia Mundial da Saúde, em 7 de abril.

Howard Catton, CEO da ICN, disse: “Desde o início da pandemia, há um ano, o ICN tem chamado a atenção para o aumento implacável de infecções de profissionais de saúde, que agora chegam a milhões. Tragicamente, podemos agora confirmar que mais de 2.700 fizeram o sacrifício final, enquanto o verdadeiro número de mortes de profissionais de saúde provavelmente está na casa das dezenas de milhares.

‘O risco continua alto e iminente para os profissionais de saúde e é por isso que o ICN está novamente pedindo que eles sejam priorizados globalmente para vacinação, para proteger a eles e aos nossos sistemas de saúde. No entanto, é muito preocupante que nossas Associações Nacionais de Enfermeiros no local relatem que a distribuição das vacinas é lenta e desigual, com um abismo se abrindo entre os países de alta e baixa renda, e a maioria nem mesmo está na linha de partida.

‘Particularmente preocupantes são os relatórios de nossas associações e outras fontes confiáveis ​​de diferenças regionais, com os países da África especialmente atrasados ​​no início do lançamento de vacinas. Para agravar essas preocupações, está o fato de que muitas associações dizem que não há informações sobre quando a implantação pode começar. Dada a prevalência de novas variantes, como a descoberta na África do Sul, isso cria uma nova dinâmica potencialmente catastrófica.

‘O ICN exorta os países a agirem agora para evitar o sério risco de não atingir a meta da OMS para o início da implantação da vacina em todos os países nos primeiros 100 dias deste ano. O tempo está passando. E para que essa implementação seja eficaz, deve ser uma prioridade vacinar os profissionais de saúde em países de baixa e média renda antes de grupos mais jovens e de menor risco em países de alta renda.

Fonte: ICN