09/04/2020

Coren-PE aciona Justiça para garantir segurança dos profissionais

Processo cobra fornecimento de EPIs e afastamento de profissionais que integram grupos de risco
O governo de Pernambuco tem o prazo de 72 horas para responder à determinação da Ação Civil Pública, ajuizada na 5ª Vara da Justiça Federal pelo Conselho Regional de Enfermagem de Pernambuco (Coren-PE). O processo trata sobre o fornecimento dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) aos profissionais de Enfermagem que atuam nas instituições de saúde mantidas pelo estado como também sobre o afastamento da linha de frente da assistência dos profissionais de Enfermagem que fazem parte de algum grupo de risco (pessoas com 60 anos ou mais, gestantes, portadores de doenças crônicas e imunodeprimidos) para infecção da Covid19. O despacho com caráter de urgência foi assinada nesta quarta-feira (8) pela juíza Nílcea Maggi.

Segundo relatório divulgado nesta quarta (8) pelo Conselho Federal de Enfermagem, Pernambuco registrou até agora uma morte confirmada para Covid-19 de uma técnica de enfermagem de 55 anos, que trabalhava no Hospital Getúlio Vargas, na Zona Oeste do Recife. Além dela, outros dois casos de óbitos de profissionais de enfermagem estão sendo investigados: o de uma técnica de enfermagem de 52 anos, que também trabalhava no Hospital Getúlio Vargas, e uma enfermeira de 29 anos, morta na última segunda-feira (6).

“As condições de trabalho dos enfermeiros, técnicos e auxiliares de Enfermagem diante da atual situação de pandemia do novo coronavírus tem sido a maior preocupação do Conselho Regional de Enfermagem de Pernambuco”, informou o Coren-PE.

O balanço do Cofen ainda relatou outros 17 óbitos notificados de profissionais de enfermagem por suspeita de Covid-19 no País, sendo que nove desses já tiveram diagnóstico confirmado. Os dados foram levantados através do Observatório, um formulário para notificação de casos de Covid-19 lançado pelo Cofen.

“É urgente a oferta adequada de equipamentos de proteção individual para reduzir os riscos de contaminação dos profissionais de Enfermagem que estão na linha de frente do combate à pandemia como o afastamento da assistência dos profissionais do grupo de risco”, reforça a presidente do Coren Pernambuco, Marcleide Cavalcanti.

De acordo com ela, o Conselho no período de 18 a 31 de março recebeu 169 denúncias pelo seu canal de Ouvidoria Online, o segundo estado com maior número em queixas, só ficando atrás do quantitativo de denúncias recebidas pelo Coren São Paulo. Isso, sem falar, nas inúmeras denúncias que chegam vias redes sociais e canal de Fale Conosco no site do Coren-PE.

Fonte: Diário de Pernambuco