20/08/2020

Enfermagem precisa de apoio real, diz presidente do Coren-PR a vereadores

Na Câmara dos Deputados, presidente destacou demandas históricas da categoria, como Piso Salarial, e importância do Sistema Únicos de Saúde

“O que mudou para a enfermagem no Paraná e em Curitiba com a pandemia? Nada. Pelo contrário, foi a responsabilidade que aumentou. Não temos nem profissionais em número suficiente”, afirmou, nesta quarta-feira (19), na Câmara Municipal de Curitiba (CMC), a presidente do Conselho Regional de Enfermagem do Paraná (Coren-PR), Simone Aparecida Peruzzo. Na CMC, ela pediu mais apoio da sociedade às demandas da categoria.

“Não quero atordoar ninguém, apenas sensibilizá-los para as lutas da enfermagem, que há 11 anos espera o Congresso votar o piso nacional da categoria. Com 2 milhões de profissionais, somos a maior força de trabalho do Brasil, entre auxiliares, técnicos de enfermagem e enfermeiros, mas seguimos invisíveis socialmente. No Paraná, são 108 mil profissionais, 50% deles em Curitiba e na Região Metropolitana”, relatou Simone Peruzzo.

Lembrando que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou 2020 como Ano Internacional da Enfermagem, ela agradeceu aos vereadores pela aprovação da lei municipal 14.162/2012, que indicava um dos ícones da profissão no Paraná, a enfermeira Rosi Maria Koch, para denominar uma unidade de saúde em Curitiba. A presidente do Coren-PR, contudo, frisou que a norma ainda não foi implementada, e pediu o apoio da CMC para efetivar a lei neste ano.

A representante do Conselho de Enfermagem, que também é pró-reitora de Recursos Humanos e Assuntos Estudantis da Universidade Federal do Paraná (UFPR), enalteceu o trabalho da secretária municipal de Saúde, Márcia Huçulak, e da diretora da Divisão de Atenção e Vigilância em Saúde, do Governo do Paraná, Maria Goretti David Lopes, na concretização dos planos de enfrentamento da covid-19. “O Sistema Único de Saúde é o que nos está garantindo na pandemia. Nenhum sistema privado daria conta”, afirmou.

Fonte: CMC