01/03/2021

Falsa aplicação de vacina: Cofen orienta como evitar e denunciar crime

Presenciou familiar ou foi vítima de falsa aplicação de vacina contra a COVID-19? A Sputnik Brasil consultou o Conselho de Enfermagem para saber como evitar e denunciar possível crime na hora da imunização.

Desde o início da vacinação no Brasil, em 17 de janeiro, surgiram algumas denúncias de profissionais de saúde que não aplicaram as doses em cidadãos que deviam ter recebido o imunizante.

Surgiram suspeitas de que enfermeiros poderiam estar simulando a aplicação das doses, sem esvaziar o conteúdo das injeções, para ficar com a vacina e obter algum tipo de benefício.

Para Eduardo Fernando Souza, coordenador do Comitê Gestor da Crise do Conselho Federal de Enfermagem (CGC/Cofen), ainda não está claro se os profissionais tiveram a intenção de cometer crime ou não aplicaram as doses por imperícia.

“Estamos observando que existem erros de procedimentos. Só não sabemos se são caracterizados por uma falta de capacitação, nervosismo, pressão ou por má fé mesmo, ordem de outras autoridades e gestores deles. Se estão seguindo ordens ou desviando a vacina para o mercado negro”, disse Eduardo Fernando à Sputnik Brasil.

‘Atos isolados’ – Até o momento, no âmbito do Cofen e de conselhos regionais foram recebidas 14 denúncias de falsas aplicações da vacina. Os casos são apurados pela entidade, sem prejuízo das investigações realizadas por outros órgãos. Se for comprovado que um enfermeiro ou técnico agiu de má fé, ele pode até perder seu registro profissional.

O coordenador do Comitê Gestor da Crise ressalta que, em relação ao plano de vacinação, o conselho fez uma campanha de orientação junto à categoria. Ele frisa ainda que, em um universo de 2,3 milhões de profissionais, as denúncias são “atos isolados”.

“Mas, infelizmente, alguns deles têm conduta duvidosa, não digna e sem ética com nossos pacientes e com a população, servindo como mau exemplo para toda categoria”, disse Eduardo Fernando. “Repudiamos qualquer ato que não faça parte dos protocolos da campanha nacional de vacinação contra a COVID-19”, acrescentou.

Como evitar – Para evitar o problema, o enfermeiro diz que a população deve ficar atenta ao “passo a passo” no momento da vacinação.

“A orientação é pedir para observar a enfermagem fazendo a aspiração da vacina do frasco para a seringa. E, depois, observar todo o líquido sendo injetado no braço. Ou seja, pedir para ver a seringa cheia e, após a aplicação, totalmente vazia, demonstrando que toda a dose da vacina foi aplicada”, disse Eduardo Fernando.

Segundo ele, os profissionais que aplicam o imunizante também são orientados a mostrar essas etapas à população. Além disso, vale lembrar que familiares e amigos podem registrar o momento da vacinação. Para descobrir possíveis fraudes, o ideal é que o momento da imunização seja filmado. Postos de saúde e outros locais responsáveis pelo processo não podem impedir a população de fazer fotos ou vídeos [ressalvado o direito de preservação da imagem do profissional].

Fonte: Sputnik News